Jesus visita Lula


Jesus visita Lula
Lula discursava para dezenas de milhares de pessoas, no Anhangabaú, em São Paulo, quando, de repente, aparece Jesus Cristo baixando do céu.
Quando chega ao lado de Lula, lhe diz algo ao ouvido.
Então, Lula, dirigindo-se à multidão diz:
– Atenção companheiros!
O companheiro Jesus Cristo aqui quer dizer algumas palavras para vocês.
Jesus pega o microfone e diz:
– Povo brasileiro, este homem que tem barba como eu, não lhes deu pão, da mesma forma que eu fiz…?
O povo responde:
– Siiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiim !
– Não é verdade que, assim como eu multipliquei os pães e peixes para dar de comer a todos, este homem inventou o Fome Zero, para que todos pudessem se alimentar…..?
– Siiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiim! – respondeu o povão.
Não é verdade que ele assegurou tratamento médico e remédios para os pobres, assim como eu curei os enfermos….?
O povo grita:
Siiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiim !
Não foi traído por companheiros de partido, assim como eu fui traído por Judas….?
O povo gritou ainda mais forte:
Siiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiim !
Então, meu povo, o que vocês estão esperando para crucificar esse infeliz…???!!!………..

Anúncios

Meia…


Meia…
Jansen Viana
Na recepção de um salão de convenções, em Fortaleza
– Por favor, gostaria de fazer minha inscrição para o Congresso.
– Pelo seu sotaque vejo que o senhor não é brasileiro. O senhor é de onde?
– Sou de Maputo, Moçambique.
– Da África, né?
– Sim, sim, da África.
– Aqui está cheio de africanos, vindo de toda parte do mundo. O mundo está cheio de africanos.
– É verdade. Mas se pensar bem, veremos que todos somos africanos, pois a África é o berço antropológico da humanidade…
– Pronto, tem uma palestra agora na sala meia oito.
– Desculpe, qual sala?
– Meia oito.
– Podes escrever?
– Não sabe o que é meia oito? Sessenta e oito, assim, veja: 68.
– Ah, entendi, meia é seis.
– Isso mesmo, meia é seis. Mas não vá embora, só mais uma informação: A organização do Congresso está cobrando uma pequena taxa para quem quiser ficar com o material: DVD, apostilas, etc., gostaria de encomendar?
– Quanto tenho que pagar?
– Dez reais. Mas estrangeiros e estudantes pagam meia.
– Hmmm! que bom. Ai está: seis reais.
– Não, o senhor paga meia. Só cinco, entende?
– Pago meia? Só cinco? Meia é cinco?
– Isso, meia é cinco.
– Tá bom, meia é cinco.
– Cuidado para não se atrasar, a palestra começa às nove e meia.
– Então já começou há quinze minutos, são nove e vinte.
– Não, ainda faltam dez minutos. Como falei, só começa às nove e meia.
– Pensei que fosse as 9:05, pois meia não é cinco? Você pode escrever aqui a hora que começa?
– Nove e meia, assim, veja: 9:30 – Ah, entendi, meia é trinta.
– Isso, mesmo, nove e trinta. Mais uma coisa senhor, tenho aqui um folder de um hotel que está fazendo um preço especial para os congressistas, o senhor já está hospedado?
– Sim, já estou na casa de um amigo.
– Em que bairro?
– No Trinta Bocas.
– Trinta bocas? Não existe esse bairro em Fortaleza, não seria no Seis Bocas?
– Isso mesmo, no bairro Meia Boca.
– Não é meia boca, é um bairro nobre.
– Então deve ser cinco bocas.
– Não, Seis Bocas, entende, Seis Bocas. Chamam assim porque há um encontro de seis ruas, por isso seis bocas. Entendeu?
– E há quem possa entender?………………

Sebastião Nery-Obama sabia


17/08/2012
Sebastião Nery
Obama sabia

RIO – Diante do corpo morto de Juscelino Kubitschek, levado ao túmulo do Cemitério da Esperança, em Brasília, como uma rosa de protesto, nas mãos exaltadas de uma imensa multidão, na tarde de 22 de agosto de 1976 (faz 36 anos na próxima quarta-feira), veio-me de repente a idéia de que ali se confirmava a definição do romano Cícero :
– “A historia é a luz da verdade” (“Historia lux veritatis”).
Durante meses o País só falou dele. De Vargas a JK, vi o Brasil chorar os seus grandes heróis naquele quarto de século. E para nenhum, nem mesmo Getúlio, foi tão unânime o coro das referências, dos aplausos, da definitiva consagração histórica. A verdade da Historia se escreve assim.

JUSCELINO

No dia seguinte, os jornais estavam grávidos de adjetivos:
1- “Tolerante, conciliador, democrático, incapaz de promover perseguições, e chegou a conceder anistia aos militares que se rebelaram duas vezes em seu governo – foi assim que políticos de todas as tendências, inclusive ministros, lembraram a figura do ex-presidente.” (O Estadão).
2- “A qualidade mestra de JK era a tolerância, a compreensão, o respeito à inteligência. Que a sua morte sirva para restabelecer essas virtudes no Brasil.” (Carlos Lacerda).
3. “Ele soube exprimir as grandes aspirações nacionais. Foi ele que transformou o desenvolvimento econômico na grande aspiração nacional.” (Severo Gomes)
4. – “Que país é este em que um homem do porte de JK morre sem ter o direito de servir a seu povo e a seu país? Sua morte me causa dois sentimentos profundos: a tristeza e o desejo de liberdade. Que o governo se inspire nela para fazer o que deve: dar a anistia ao pais.” (Sobral Pinto).

A HISTORIA

5.- “Exerceu o governo com o Congresso funcionando normalmente
e os tribunais intocáveis.” (Paulo Brossard).
6.- “JK ainda poderia prestar, em vários campos, os melhores serviços ao Brasil.” (Cordeiro de Farias).
7.”Ele foi o homem a quem mais deve o Brasil, pois iniciou e concluiu as obras mais importantes do país moderno.” (Odílio Dennys) Carlos Castelo Branco, que escreveu as melhores coisas sobre o sentido de sua herança política e nosso dever diante do amanhã, contou a angústia de sua última pergunta:
– “Será que morrerei sem ser de novo a minha terra livre?”
Morreu. A resposta o País deu. Porque a História ninguém cassa.

LULA

É um sacrilégio lembrar de Lula pensando em Juscelino. Mas foi de Lula que lembrei ao pensar nesse 22 de agosto que há 36 anos nos levou Juscelino. Lula, o medíocre, tem a insana audácia de se comparar a JK.
Durante cinco anos Lula tentou fazer o povo brasileiro esquecer o crime do Mensalão. Primeiro, cinicamente fingiu, até chorou, que estava indignado. Depois, disse que não sabia de nada mas pediu perdão ao povo brasileiro em nome dele e do PT. E passou a dizer que o Mensalão não houve, foi uma invenção da oposição e da imprensa para derrubá-lo.
Mas bastou uma semana de começo do julgamento do Mensalão para a verdade aparecer incontida nas manchetes dos jornais e nas TVs:
– “Não só Lula sabia como ordenou o Mensalão” (Globo).
– “Lula não só sabia como ordenou o Mensalão” (Folha de S. Paulo).

O CARA

Agora ficou claro o que o presidente Obama quis dizer quando apontou para Lula e surpreendeu o mundo com aquela estranha frase:
– “Esse é o cara”.
Obama quis dizer : – Esse é o chefe do Mensalão. Esse é o “chefe da quadrilha”. Esse é o cara que criou a “quadrilha”, a “organização criminosa” articulada por José Dirceu, denunciada pelos dois Procuradores Gerais da Republica e processada pelo Supremo Tribunal do Brasil.
Obama não falou por acaso, não falou à toa. Obama sabia.

http://www.sebastiaonery.com.br

Sebastião Nery-Um baiano na Sicilia


13/08/2012
Sebastião Nery
Um baiano na Sicilia

RIO – E chegou a Roma, em 1990, Jorge Amado, com Zélia Gattai e a filha Paloma, para receber na Sicilia o “Premio Mediterraneo”, matriz da civilização européia. Fez um debate no “Centro de Estudos Brasileiros” da embaixada, na monumental Piazza Navona. Com eles fomos para Palermo, capital da Sicilia, o ministro-conselheiro Arnaldo Godoy Cravo, a diretora do nosso “Centro de Estudos Brasileiros”, na embaixada, a bela Maria Lucia Verdi, e eu, baiano e adido cultural.

A Sicilia fez-lhe uma festa baiana. Na entrega do premio, no Centro de Cultura Mediterranea, o cardeal Salvatore Papalardo, o governador da Província, o presidente do Parlamento, escritores, professores. E leitores.

JORGE AMADO

Na Faculdade de Línguas e Literatura de Palermo, Jorge Amado debateu horas com estudantes. Queriam saber sobretudo como o Brasil conseguiu misturar suas raças, quando a Europa mergulhava em um perigoso conflito com os imigrantes. Jorge Amado explicou:

– “A Constituição soviética é modelar contra qualquer discriminação social. No entanto, 70 anos depois, as varias nacionalidades ainda se devoram. Por que? Porque racismo só acaba na cama, com mistura racial e amor. Quando o primeiro portugues amou a primeira índia e a primeira negra, começava no Brasil o mistério da língua e da Nação”.

À noite, na casa de Geangaspare Ferro, italiano, e Hilda Ferro, carioca, comendo uma feijoada feita por uma baiana casada com um siciliano, estavam casais que se conheceram porque o leram, descobriram o Brasil nos livros dele, encontraram-se, casaram e agradeciam a Jorge. E deram aos filhos os lindos nomes dos personagens de Jorge.

SICILIA

Depois, fomos perambular pela Sicilia. O grego Homero a chamou “1lha do Sol”. Mas quem melhor a definiu foi Goethe, o alemão:

-“Sem ver a Sicília, não se faz idéia da Itália. É a chave de tudo.”

O siciliano Tuci Lombardo, ministro da Cultura, disse-nos:

– A Sicília é também a Máfia, mas não é só. (“Anche la Máfia, ma non solo”). Nenhum outro lugar do mundo com tanta historia, em tão pouco espaço. O grande patrimônio da Sicília são seus bens culturais. Temos o mundo fenício, o grego, o romano, o bizantino, o árabe, o normando, o espanhol, o francês, o barroco, o germânico. Todo o Ocidente.

FENICIA

Os brasileiros sempre tivemos uma idéia nebulosa da Sicília: uma ilha na ponta da bota da Itália, a terra da Máfia, uma província italiana. Pois a Sicília não é filha da Itália. É avó. Não veio do Império Romano, é anterior. A civilização grega, antes de chegar a Roma, já estava na Sicília. Grecia e Roma são mães da Europa, a Sicilia é a avó. Quando os gregos chegaram lá, entre o 7º e 8º séculos antes de Cristo, e fundaram Taormina, Siracusa, Catânia, Agrigento, Selinunte, a leste e ao sul da ilha, já no outro lado, ao norte e a oeste, estavam os fenícios desde o século 10º antes de Cristo, vindos da Síria: semitas inventores do alfabeto que os gregos aperfeiçoaram, comerciantes criadores do dinheiro.

Os fenícios,já instalados no norte da África, sobretudo em Cartago, chegaram à Sicília e criaram sua primeira cidade, Panormo (hoje Palermo, a capital), onde começou a civilização do Mediterrâneo, a matriz fenícia e grega da Europa. Amílcar, Aníbal, generais de Catargo, enfrentaram os guerreiros gregos Timoleão e Agatocle e as invenções de Arquimedes.

Só no século 3º AC, em 264, Roma chegou à Sicília com Pirro, para ajudar os gregos na luta contra os fenícios, na primeira Guerra Púnica. Roma derrotou Cartago, expulsou os gregos e ficou na ilha.

100 ANOS

Foi em Palermo, capital da Sicília, mais velha do que Roma, onde se criou a primeira Universidade do mundo, e, no ano 1130 se instalou o primeiro Parlamento do mundo, que Jorge Amado recebeu o “Prêmio Mediterrâneo Internacional”, um dos mais importantes da Europa.

Numa festa bem italiana, descontraída, simpática, comandada pelo editor Penzo Mazzone, pelo presidente do Centro de Cultura Mediterrânea Mario Sansone, saudado por Alberto Bevilacqua como um dos mais importantes escritores do mundo, Jorge Amado fez um discurso dizendo que não nasceu para ser importante e na sua literatura queria ser apenas a voz e o desenhista da alma do povo brasileiro, seus sonhos, vida e lutas.

O saudoso Jorge fez 100 anos. Também quis dizer-lhe meu adeus.

http://www.sebastiaonery.com.br

Luiz Fernando Veríssimo – TUDO QUE VICIA COMEÇA COM “C”


TUDO QUE VICIA COMEÇA COM “C”

Luiz Fernando Veríssimo

Por alguma razão que ainda desconheço, minha mente foi tomada por uma ideia um tanto sinistra: vícios.

Refleti sobre todos os vícios que corrompem a humanidade. Pensei, pensei e, de repente, um insight: tudo que vicia começa com a letra C!

De drogas leves a pesadas, bebidas, comidas ou diversões, percebi que todo vício curiosamente iniciava com cê.

Inicialmente, lembrei do cigarro que causa mais dependência que muita droga pesada. Cigarro vicia e começa com a letra c. Depois, lembrei das drogas pesadas: cocaína, crack e maconha. Vale lembrar que maconha é apenas o apelido da cannabis sativa que também começa com cê.

Entre as bebidas super populares há a cachaça, a cerveja e o café. Os gaúchos até abrem mão do vício matinal do café mas não deixam de tomar seu chimarrão que também – adivinha – começa com a letra c.

Refletindo sobre este padrão, cheguei à resposta da questão que por anos atormentou minha vida: por que a Coca-Cola vicia e a Pepsi não? Tendo fórmulas e sabores praticamente idênticos, deveria haver alguma explicação para este fenômeno. Naquele dia, meu insight finalmente revelara a resposta. É que a Coca tem dois cês no nome enquanto a Pepsi não tem nenhum.

Impressionante, hein?

E o computador e o chocolate? Estes dispensam comentários. Os vícios alimentares conhecemos aos montes, principalmente daqueles alimentos carregados com sal e açúcar. Sal é cloreto de sódio. E o açúcar que vicia é aquele extraído da cana.

Algumas músicas também causam dependência. Recentemente, testemunhei a popularização de uma droga musical chamada “créeeeeeu”. Ficou todo o mundo viciadinho, principalmente quando o ritmo atingia a velocidade… cinco.

Nesta altura, você pode estar pensando: sexo vicia e não começa com a letra C. Pois você está redondamente enganado. Sexo não tem esta qualidade porque denota simplesmente a conformação orgânica que permite distinguir o homem da mulher. O que vicia é o “ato sexual”, e este é denominado coito.

Pois é. Coincidências ou não, tudo que vicia começa com cê. Mas atenção: nem tudo que começa com cê vicia. Se fosse assim, estaríamos salvos pois a humanidade seria viciada em Cultura.

Meteorologia indígena


Meteorologia indígena

Aproxima-se o inverno.

Os notáveis da tribo vão ao Cacique se esclarecer:
– Grande Chefe, já começamos a catar lenha, mas o inverno este ano será rigoroso ou ameno?
O Cacique, nascido e criado em tempos modernos, não aprendera com seus ancestrais os milenares segredos da Meteorologia. Entretanto, não podia e nem queria demonstrar insegurança.
Olhou para o céu por algum tempo, elevou e estendeu as mãos, sentiu o rumo dos ventos e, em tom sereno, profético e firme anunciou:
– Teremos um inverno muito forte !!!      É bom catar muita lenha !!!
Na semana seguinte, preocupado com o chute, telefonou para o Serviço Nacional de Meteorologia e ouviu a resposta:
– Sim… O inverno deste ano será muito frio !!!
Sentiu-se, então, mais aliviado e seguro.   Novamente aconselhou todo seu povo:
– O melhor que se faz é catar muita lenha…    O inverno será muito rigoroso !!!
Dois dias depois, ligou novamente para o Serviço Nacional de Meteorologia e não deu outra:
– Sim… As evidências apontam este ano como de inverno muito rigoroso !!!
Dirigiu-se novamente a seu povo:
– Teremos um inverno muito rigoroso. Catem todo pedaço de lenha que encontrarem. Temos que aproveitar até os gravetos.
Na semana seguinte, ainda um pouquinho inseguro, ligou para o Serviço de Meteorologia outra vez:
– Vocês têm certeza de que teremos um inverno tão rigoroso assim, como estão afirmando há dias ???
– Sem a menor dúvida !!!    – Respondeu o meteorologista de plantão:   – Este ano teremos um frio muito, mas muito intenso mesmo, fora das médias tradicionais…
– E o que leva o homem branco a ter tamanha certeza ???
– Meu amigo, este ano os índios estão catando lenha pra cacete !!!!!!!!

NÃO SOU ……


NÃO SOU NEGRO, NEM ÍNDIO, NEM VIADO, NEM ASSALTANTE, NEM GUERRILLHEIRO, NEM INVASOR.

Como Faço??

Sou Branco, honesto, contribuinte, eleitor, hetero…Para quê???

Ives Gandra da Silva Martins*

Hoje, tenho eu a impressão de que o “cidadão comum e branco” é agressivamente discriminado pelas autoridades e pela legislação infraconstitucional, a favor de outros cidadãos, desde que sejam índios, afrodescendentes, homossexuais ou se autodeclarem pertencentes a minorias submetidas a possíveis preconceitos. Assim é que, se um branco, um índio e um afrodescendente tiverem a mesma nota em um vestibular, pouco acima da linha de corte para ingresso nas Universidades e as vagas forem limitadas, o branco será excluído, de imediato, a favor de um deles! Em igualdade de condições, o branco é um cidadão inferior e deve ser discriminado, apesar da Lei Maior. Os índios, que, pela Constituição (art. 231), só deveriam ter direito às terras que ocupassem em 5 de outubro de 1988, por lei infraconstitucional passaram a ter direito a terras que ocuparam no passado. Menos de meio milhão de índios brasileiros – não contando os argentinos, bolivianos, paraguaios, uruguaios que pretendem ser beneficiados também – passaram a ser donos de 15% do território nacional, enquanto os outros 185 milhões de habitantes dispõem apenas de 85% dele.. Nessa exegese equivocada da Lei Suprema, todos os brasileiros não-índios foram discriminados. Aos ‘quilombolas’, que deveriam ser apenas os descendentes dos participantes de quilombos, e não os afrodescendentes, em geral, que vivem em torno daquelas antigas comunidades, tem sido destinada, também, parcela de território consideravelmente maior do que a Constituição permite (art. 68 ADCT), em clara discriminação ao cidadão que não se enquadra nesse conceito. Os homossexuais obtiveram do Presidente Lula e da Ministra Dilma Roussefo direito de ter um congresso financiado por dinheiro público, para realçar as suas tendências – algo que um cidadão comum jamais conseguiria! Os invasores de terras, que violentam, diariamente, a Constituição, vão passar a ter aposentadoria, num reconhecimento explícito de que o governo considera, mais que legítima, meritória a conduta consistente em agredir o direito. Trata-se de clara discriminação em relação ao cidadão comum, desempregado, que não tem esse ‘privilégio’, porque cumpre a lei. Desertores, assaltantes de bancos e assassinos, que, no passado, participaram da guerrilha, garantem a seus descendentes polpudas indenizações, pagas pelos contribuintes brasileiros. Está, hoje, em torno de 4 bilhões de reais o que é retirado dos pagadores de tributos para ‘ressarcir’ aqueles que resolveram pegar em armas contra o governo militar ou se disseram perseguidos. E são tantas as discriminações, que é de perguntar: de que vale o inciso IV do art. 3º da Lei Suprema? Como modesto advogado, cidadão comum e branco, sinto-me discriminado e cada vez com menos espaço, nesta terra de castas e privilégios.
( *Ives Gandra da Silva Martins é renomado professor emérito das universidades Mackenzie e UNIFMU e da Escola de Comando e Estado do Exército e presidente do Conselho de Estudos Jurídicos da Federação do Comércio do Estado de São Paulo ).
Para os que desconhecem este é o : Inciso IV do art. 3° da CF a que se refere o Dr. Ives Granda, em sua íntegra: “promover o bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.” Assim, volta a ser atual, ou melhor nunca deixou de ser atual, a constatação do grande Rui Barbosa: “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”. (Senado Federal, RJ. Obras Completas, Rui Barbosa. v. 41, t. 3, 1914, p. 86)